quinta-feira, 27 de agosto de 2015


Exposição que marca os 10 anos de atividade da SVAP

Artistas participantes:

Alvimar.....................Rosa Aurélia Rosa.............Rocha Maia
Ludmila....................Goári...................................Tuíra
Graça Martins..........Henrique Siqueira..............Cristina Lima
Joelma Pinheiro......Carmem Prado...................Genesi Lopes
Odalva Guimarães...............................................Frank Correia
Marcílio Tabosa................................................................negGO

Local: SESC Presidente Dutra-SCS Qd 2 Bloco C Brasília-DF
Data: 02 a 30 de setembro de 2015

Horário: 08h às 20h.

terça-feira, 16 de setembro de 2014

"A visão do Trapezista"


Este quadro que está no acervo do Musée international d'art naïf, na cidade de Vicq, MidanVicq, na França. Técnica mista sobre tapete, 100cm x 60cm.
Titulo: "A Visão do Trapezista".
Obra de Rocha Maia

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

CONVITE





Exposição conjunta de pinturas de Rocha Maia e Joelma Pinheiro.
Título: “Opostos, Justapostos e Compostos”
Espaço Cultura Codevasf – SGAN 601, Conj. I, Brasília DF 
De 04 a 15 de fevereiro – das 8:00h às 17:00h, de segunda a sexta feira

Dois artistas talentosos.
Profissionais competentes na arte que escolheram e se dedicam cotidianamente: a pintura artística. Verdadeiro sacerdócio!  
Dois estilos onde poucos pintores conseguiram atingir limites tão próximos da perfeição. 
O que mais me impressionou ao longo de meu interesse pela arte foi o naïf  de Rocha Maia. A par da poesia de suas composições, plenas de liberdade, despreocupada do formalismo característico desse estilo, a orientação espacial que se observa em  sua pintura na distribuição dos personagens e dos objetos temáticos de suas culturas, faz "brilhar" aos nossos olhos uma arte extraordinariamente  original, admirável. Por esses e por tantos outros motivos, é sempre ótima oportunidade vê-lo a mostrar sua arte.
Nesta mostra, justapondo-se a Rocha Maia, vemos o inconfundível e exuberante talento de Joelma  Pinheiro na arte do Retrato. A marca de seu primoroso pincel, pode ser percebida em cada toque na tela, surgindo  como resultado final, a impressionante fidelidade entre o personagem e o retrato. Coloco-a sem medo de errar no patamar de mestres, como Richard Selesmick, Gregory Heisler. e Ernest Hamlin Baker  entre outros. Os visitantes de "Opostos, Justapostos e Compostos", podem apreciar também, florais de grande beleza assinados por ela. 
Enfim, "Opostos, Justapostos e Compostos”, é sem dúvida uma mostra para marcar a memória de seus visitantes. Uma grande ideia do Espaço Cultura Codevasf, reunir esses dois artistas díspares no estilo mas justapostos, em pé de igualdade, no seu talento e amor à arte da pintura, formando, artistas, pincéis, tintas, quadros e tudo o mais, o circunspecto do Academicismo e a liberdade juvenil do Naïf. Uma singular composição. É visitar e se encantar.
           Alvimar G. Silva
           Artista Plástico

terça-feira, 15 de janeiro de 2013

Evento - Diplomação - Aniversário SVAP/2012

No dia 25 de agosto de 2012, em Valparaíso de Goiás, foi realizada, pela SVAP – Sociedade Valparaisense de Artistas Plásticos, solenidade de Diplomação de Grau de Excelência aos artistas:

 Antonio Alves de Souza,
Antonio Wanderlei Santos Amorim,
Israel Quirino do Nascimento,
Luiz Roberto da Rocha Maia,
Marcílio Tabosa de Castro,
Otoniel Fernandes Neto.

O evento, coordenado pelo presidente Elves de Arimatéia (Goári), realizado no Atelier da Artista Plástica Joelma Pinheiro, contou com exposição de obras dos homenageados e participação dos artistas plásticos Odalva Guimarães e Japão, presença de diversos artistas e convidados, finalizado, a comemoração de mais um aniversário da entidade, que completou sete anos de luta em prol das artes e cultura na região.

Na ocasião foi lembrado por artistas associados o aniversário do Alvimar, 30/08, presidente-fundador que tem dedicado décadas de sua vida a organização do segmento, sugerindo-se o título de presidente de honra da instituição. (Matéria VALTV)





Por dentro da arte de Rocha Maia


 (Quadro: “Favela Tour” - Ganhador do Prêmio Primeiro Lugar - Aquisição, no IV Salão de Artes Plásticas de São José do Rio Preto-SP 2011)

Art naïf (arte ingênua) é o estilo a se propagar nas pinturas do artista plástico Rocha Maia. É um homem culto, comunicativo, sensível, que pensa muito antes de armar-se de espírito critico a qualquer fato pessoal ou do cotidiano; prefere transferir toda essa energia para a tela de pintura. É um conciliador, de avaliações corretas. Suas obras são crônicas de acontecimentos atuais em cores vibrantes bem masculinas, as linhas dos desenhos estão sempre impregnadas de nostalgia. Gosta de compor com poucos gradientes do claro ao escuro, o suficiente para criar profundidade, de forma espontânea e simplificada salpica pequenos universos em movimentos, sejam: animais, humanos ou objetos, como as pipas suspensas em atmosfera de festa. Todos participativos dos espalhes geométricos do primeiro plano da tela – assentados nos dois quadrantes inferiores. Os papagaios de rabos compridos indicam os cabos aéreos, estes, reforçam, instintivamente, a existência da meia lua que determina o limite da composição mais frio ao fundo nos quadrantes superiores da tela.
                                                                                  
Transfere meticulosamente a sua ingenuidade para as figuras vibrantes, mas, se tratando de obra de um homem letrado, a subjetividade é mais profunda, existe um enigma. Algo não condiz com a bela profundidade da paisagem, uma mensagem oculta impregnada de alerta aos descasos, bem coloquiais. O aviãozinho que o Cristo mau vê, está indiferente. A linha do horizonte está no filete, representado pela cadeia de montanha em tons claros abaixo da nave. Esses montes elevados separam o mar do céu, é o centro do quadro que escorrega em direção ao ponto geométrico, um lance em azul claro, colado no costado do Pão de Açúcar, onde as linhas do quadro convergem.

A obra toda está em harmonia, o céu, as nuvens estão em uma profundidade transcendente que abraçam o Cristo Redentor para escondê-lo, os braços abertos determinam a leveza do espaço superior e a composição desce vertiginosamente ao principal peso visual. O fundo acima Dele com um leve tom de violeta cobalto, carmim ou marrom acrescenta uma dramaticidade que paralisa o aviãozinho de mesmas cores. A posição do aviãozinho faz descer o ponto perceptivo no pico do Pão de Açúcar e, voa em segundo plano do quadro, onde concentra as formas irregulares e claras dos prédios socados a beira mar. Esse deveria ser o centro, não menos vibrante essa é a metrópole distante, porém, não participam do dinamismo do primeiro plano. A sua energia está ínfima e lacônica, em relação à riqueza de vibrações das cores quentes dos casebres, dos pequenos personagens e seus dramas resultado da coloração, mistura que oferece radiações diferentes de luz propiciados pela paleta e pinceis do sonhador.

A art naïf  diverge dos conceitos acadêmicos tradicionais e não se enquadra com qualquer movimento modernista. Rocha Maia tem estabelecido sua presença nas artes plásticas, descompromissado de qualquer tipo de curso ministrador. Um primitivista brincalhão, perito em narrar histórias triviais em tela. Nunca perde a elegância, quando quer materializar um tema, seus trabalhos não são irracionais ou apenas figurativos. Ele acrescenta vida, dinamismos. Observe no canto inferior, esquerdo, o impulso ansioso dos dois garotos subindo a escadaria; no canto oposto está uma nega, a boneca com o olhar a cinco graus de frente ao espectador insinuando uns passos de dança, etc. Tudo sem maldade, a realidade vivida pela humanidade. Critica aos contrastes sociais e suas injustiças em universo pictórico. Mas sem malícia, trabalha a instabilidade sem deixar a doçura, a alegria e a graciosidade, atormenta-se com os comportamentos parciais, que separam apaixonadamente as classes.
neGO - 2013





quarta-feira, 31 de outubro de 2012

ARTE VALPARAISENSE NO ESPAÇO CHATÔ – BRASÍLIA-DF – 23/10 – 09/11/2012 – VALPARAÍSO-GO


sábado, 21 de maio de 2011